A natureza dinâmica e automatizada da nuvem traz muitos benefícios para as empresas, desde a fácil configuração e entrega de serviços até custos de manutenção previsíveis. Com usuários acessando dados e colaborando de qualquer lugar, os serviços e aplicativos baseados em nuvem transformaram completamente a forma como os negócios são feitos.

De acordo com resultados da pesquisa do Instituto 451 Research, 60% das cargas de trabalho corporativas serão executadas na nuvem até meados de 2018 – hoje já somam 41%. No entanto, junto com esta nova era de crescimento, existem certas suposições sobre como a nuvem opera e como protegê-la. Todo profissional de segurança deve questionar esses pressupostos e, talvez mais importante, encorajar outros nas empresas a questioná-los também. Dessa forma, todas as partes envolvidas estarão fazendo sua parte para garantir que as organizações - e enormes quantidades de dados e propriedade intelectual (IP) que a nuvem armazena - sejam seguras.

 

3 pressupostos mais comuns da nuvem

1.  Tudo na nuvem é sobre implantações rápidas de aplicativos e serviços

 A nuvem mudou completamente a forma como novas aplicações e serviços foram desenvolvidos e, por sua vez, entregues aos seus clientes. As implantações e disponibilidade rápidas são duas hipóteses que as equipes, na maioria dos casos, não questionam ao escolher implantar um aplicativo baseado na nuvem ou mover dados para a nuvem. Embora a agilidade baseada na nuvem possa oferecer benefícios maciços, a segurança deve ser considerada e integrada ao ciclo de vida do desenvolvimento da aplicação desde o início, para evitar perda de dados e interrupção do negócio. À medida que mais dados, IPs confidenciais e aplicativos críticos do negócio migram para a nuvem, nossa responsabilidade como profissionais de segurança é inspirar uma mentalidade de segurança em primeiro lugar nas empresas, de modo que qualquer conversa sobre nuvem inclua segurança.

 

2.  A nuvem é mais segura

Os provedores de nuvem pública normalmente oferecem alguma forma de segurança nativa. Muitas pessoas assumem que isso é suficiente, mas isso não pode estar mais longe da verdade. No passado, as organizações mantiveram a responsabilidade total pela segurança de suas infraestruturas em nuvem privadas, mas isso mudou completamente com a nuvem pública e aplicações baseadas em SaaS.

Agora, a empresa e o provedor de infraestrutura compartilham as responsabilidades. A segurança dos dados é responsabilidade da empresa e a segurança da infraestrutura é responsabilidade do provedor. Dentro da nuvem pública, continuamos a ver violações de dados, muitas vezes resultantes de uso impróprio, configurações erradas ou ameaças avançadas. Diante disso, é importante lembrar que a nuvem não é inerentemente mais segura, ela é tão segura como qualquer outro lugar onde os dados são armazenados. As empresas devem abordar a segurança dos dados de forma consistente à abordagem de segurança geral – e a nuvem não é uma exceção.

 

3.  A segurança da nuvem é diferente da segurança da rede ou do endpoint

Embora as organizações sejam responsáveis por garantir a segurança de seus dados, independentemente de onde eles estejam, muitas vezes a segurança da nuvem ainda é considerada como um tipo diferente de segurança. Este pressuposto resulta na implantação de diferentes soluções para proteger a nuvem, deixando as equipes de segurança com ambientes de gerenciamento complicados e produtos que não “conversam” uns com os outros, especialmente para aquelas com múltiplos provedores de infraestrutura da nuvem.

A realidade é que, mesmo que o consumo de segurança na nuvem seja diferente da sua automação, a abordagem na nuvem não deve ser diferente da segurança de rede ou endpoint. Obviamente, não é possível colocar um firewall físico na nuvem, mas os profissionais de segurança devem aplicar o mesmo rigor para defende-la. Esse rigor garante que as organizações sejam protegidas contra as mesmas ameaças em todos os ambientes, da maneira mais eficiente possível. Simplificando, a consistência produz os melhores resultados.

*Scott Simkin é diretor para Marketing de Produtos, Serviços de Segurança e Inteligência de Ameaça na Palo Alto Networks

 

 


Por que devemos questionar os pressupostos mais comuns da nuvem

Resumo das especificações e recursos da plataforma da Palo Alto Networks

Organizações do mundo todo estão ampliando suas iniciativas de nuvem e vir- tualização além das tradicionais implantações de centro de dados e de nuvem pública. As novas iniciativas incluem segurança como um componente NFV ou como uma solução mais completa para vários locatários.

  • 3587

PA-5200 Series

O PA-5200 Series da Palo Alto Networks® para dispositivos de firewall de última geração é composto pelo PA-5260, PA-5250 e PA-5220.

  • 153

PA-3200 Series

Organizações do mundo todo estão ampliando suas iniciativas de nuvem e vir- tualização além das tradicionais implantações de centro de dados e de nuvem pública. As novas iniciativas incluem segurança como um componente NFV ou como uma solução mais completa para vários locatários.

  • 3557

Traps: Advanced Endpoint Protection

O Traps da Palo Alto Networks substitui antivírus tradicionais com uma abordagem de prevenção de vários métodos que protege endpoints contra malwares e explorações conhecidas e desconhecidas antes que elas possam comprometer um sistema.

  • 15711

O Valor da Plataforma de Segurança de Última Geração: Análise do Mundo Real

A combinação de ambientes de TI complexos e modernos e um cenário de ameaças em rápida evolução fez com que muitas empresas fossem desafiadas a controlar custos e, ao mesmo tempo, proteger efetivamente os sistemas dos quais suas operações dependem.

  • 511

VM-Series Para Amazon Web Services

O VM-Series para AWS permite que você proteja seus aplicativos e dados no AWS com firewall de última geração e recursos de prevenção de ameaças.

  • 413