Controle a atividade na web com a filtragem de URL

O complemento perfeito do controle de aplicativos baseado em política oferecido pelo App-ID é nosso banco de dados de filtragem de URL, que lhe oferece total controle sobre as atividades relacionadas na web. Ao abordar sua falta de visibilidade e controle, seja de uma perspectiva de aplicativo ou da web, o App-ID e a filtragem de URL oferecem, juntos, proteção contra um amplo leque de riscos legais, regulatórios, de produtividade e de utilização de recursos.

 

Saiba mais sobre a Tecnologia Content-ID.

O banco de dados de URLs integrado maximiza o desempenho e a flexibilidade.

A filtragem de URL é habilitada através de buscas locais, assim como de consultas ao banco de dados em nuvem. As buscas locais asseguram o máximo desempenho em linha e uma latência mínima para as URLs de acesso mais frequente, enquanto que as buscas na nuvem oferecem cobertura para os sites mais recentes. Nossa combinação de controle de aplicativos e filtragem de URL permite que você implemente práticas flexíveis para monitorar as atividades de funcionários e da rede.
 

  • Controle a navegação na web com base em categorias e através de listas negras e brancas personalizadas.

  • Especifique as suas políticas de navegação baseadas em grupo com a integração de locais de armazenamento (de usuários) proporcionada pelo User-ID.

  • Habilite políticas de descriptografia SSL permitindo o acesso criptografado a sites específicos sobre assuntos de interesse de seus funcionários - como saúde, finanças e compras - ao mesmo tempo em que descriptografa o tráfego a todos os outros sites, tais como blogs, fóruns e sites de entretenimento.

  • Habilite o controle de largura de banda para categorias designadas, criando políticas de QoS para categorias de URL especificadas.

Bancos de dados e categorias de URL personalizáveis.

Para demonstrar padrões de tráfego únicos, os caches no dispositivo armazenam as URLs acessadas mais recentemente. Os dispositivos podem também consultar automaticamente um banco de dados em nuvem para obter informações sobre uma categoria de URL quando não for encontrada uma URL no dispositivo. Os resultados de pesquisa são automaticamente inseridos no cache para atividades futuras. Você também pode criar categorias de URL personalizadas.

Notificações personalizadas para o usuário final.

Há várias formas de informar seus usuários finais que estão tentando visitar uma página web que não está em conformidade com a política corporativa:
 

  • Página de bloqueio personalizável: Uma página que informa ao usuário que ele está violando a política e  pode incluir seu logotipo corporativo, referências ao nome de usuário, endereço IP, a URL que se tenta acessar e a categoria da URL.

  • Bloquear a filtragem de URL e continuar: Os usuários que acessam uma página que potencialmente viola a política de filtragem de URL visualizam uma página de bloqueio com um botão de "Advertência e Continuar".

  • Ultrapassar a filtragem de URL: Exige que o usuário insira uma senha correta para ignorar a página de bloqueio e continuar navegando.

Controle flexível e baseado em políticas sobre o uso da web.

Para complementar a visibilidade sobre aplicativos e o seu controle pelo nosso App-ID, você pode usar as categorias de URL como critério de correspondência para as suas políticas. Em vez de criar políticas limitadas de 'permitir ou bloquear' todos os comportamentos, usar as categorias de URL como critério de correspondência - permite um comportamento baseado em exceção. Ela aumenta a sua flexibilidade e permite aplicar políticas mais detalhadas. Exemplos de como a categorias de URL podem ser usadas em sua política incluem:


 

  • Identificar e permitir exceções às suas políticas gerais de segurança para usuários que podem pertencer a vários grupos dentro do Active Directory (por exemplo, negar acesso a malware e sites de hackeamento para todos os usuários, e ainda assim permitir o acesso de usuários que pertencem ao grupo de segurança).

  • Aplicar políticas de filtragem de URL a resultados no cache quando usuários finais tentarem visualizar resultados em cache do Google Search e Internet Archive.
  • Aplicar políticas de filtragem de URLs inseridas em sites de tradução como o Google Translate como forma de enganar as políticas.
  • Aplicar o Safe Search para evitar que conteúdos inapropriados apareçam nos resultados de pesquisa do usuário. Quando esse recurso está habilitado, apenas pesquisas do Google, Yahoo ou Bing com a opção mais estrita de Safe Search terão autorização; todas as outras pesquisas serão bloqueadas.
  • Permitir acesso à categoria streaming de mídia, mas aplicar QoS para controlar seu consumo de largura de banda.

  • Impedir o download/upload de arquivos para categorias de URL que representem riscos mais altos (por ex., permitir acesso a sites desconhecidos, mas impedir o upload/download de arquivos executáveis de sites desconhecidos para limitar a propagação de malware). 

  • Aplicar políticas de descriptografia SSL que permitam o acesso criptografado às categorias de finanças e compras, mas descriptografar e inspecionar o tráfego para todas as outras categorias.
CHAT
Perguntas?
Converse com quem tem as respostas.
Converse agora