Levantamento da Palo Alto Networks indica que os ataques ransomware e SaaS tendem a crescer colocando em risco os dados de pacientes

São Paulo – 6 de fevereiro de 2017 – A cibersegurança em 2016 foi marcada pelos ataques ransomware, impactando, principalmente, a área da saúde. Por tratar-se de um setor extremamente delicado e essencial para toda a população, a Unit 42, centro de pesquisas da Palo Alto Networks, fez um levantamento das tendências e necessidades de segurança cibernética nessa indústria para que as organizações de saúde estejam preparadas para combater as ameaças que devem enfrentar em 2017.

Muitos hospitais foram afetados por ransomware no último ano e atingidos, especialmente, por variantes que miram servidores e não computadores. Um hospital em Washington, por exemplo, foi afetado a ponto de ter que transportar os pacientes para outras instalações para manter a qualidade dos cuidados.

Os cibercriminosos optam pelo ransomware pela discrição dos pagamentos anônimos em Bitcoin - uma maneira eficaz de receber pagamentos sem ser pego pela polícia. O setor da saúde é visado devido ao vetor de ataque ocorrer por uma aplicação (JBOSS) desatualizada nos servidores na DMZ (sigla em inglês para Zona Desmilitarizada, que significa uma sub-rede física ou lógica que contém e expõe serviços de fronteira externa de uma organização a uma rede maior e não confiável, normalmente a internet).

Graças ao compartilhamento de inteligência de ameaças, as organizações do setor providenciaram reparos e correções nas vulnerabilidades dessa aplicação. No entanto, a tendência de aumento desse tipo de ataque permanece. O ransomware continuará mirando a indústria da saúde neste ano por meio de ataques padrão como downloads na web, anexos ou links maliciosos via e-mail e servidores desatualizados na DMZ.

Outro ponto importante são as aplicações SaaS - muito utilizadas pelas equipes médicas para compartilhamento de arquivos na nuvem, como Box, Dropbox e Google Drive, devido à praticidade para compartilhar informações de forma rápida. O problema com as versões públicas desses serviços é que cabe ao usuário controlar quem tem acesso aos arquivos e é muito fácil se enganar com uma configuração e disponibilizar um arquivo que contém informações protegidas de saúde (PHI) para todo o público na internet. As versões corporativas de alguns desses serviços permitem restringir o acesso público, mas a maioria das organizações não bloqueiam as versões gratuitas, então fica difícil controlar.

Normalmente o processo de inteligência de ameaças na área da saúde é lento, manual e demorado. Em 2017, as organizações desse setor começarão a aproveitar os recursos mais avançados de compartilhamento de ameaças disponíveis no mercado de segurança. Esses tipos de recursos permitem uma ação altamente confiável e automatizada, eliminando até totalmente a necessidade de revisão humana.

Além dessas, que devem ser as principais tendências de cibersegurança para o setor da saúde nesse ano, é fundamental questionar se um ataque em um dispositivo médico poderá causar lesão a um paciente. Atualmente falta o básico de segurança para os dispositivos utilizados em instalações médicas que, muitas vezes, não possuem proteção de endpoint, e atualizações regulares, funcionando em sistemas operacionais desatualizados, como o Windows XP. Por estas razões, são alvos principais para malware e ciberataques. Além disso, os equipamentos médicos são caros e não há incentivo financeiro para realizar o tipo de pesquisa de segurança necessária para detectar e corrigir vulnerabilidades nesses dispositivos.

Além da busca por recompensas lucrativas, existe também a preocupação com os hackers que estão nesse negócio por diversão, ou seja, só fazem para provar que podem fazer. Até o momento, não há casos confirmados de danos físicos aos pacientes mas a equipe da Unit 42 trabalha com a hipótese de que seja apenas uma questão de tempo para um agente malicioso se aproveitar da parte mais vulnerável das redes hospitalares – os dispositivos médicos - e entrar em ação.

 

Sobre a Palo Alto Networks

A Palo Alto Networks é uma fornecedora de soluções de segurança corporativa. Sua plataforma inovadora permite que empresas, provedores de serviços e entidades governamentais mantenham suas redes seguras e que o número crescente e complexo de aplicações continue rodando em suas redes. O núcleo da plataforma da Palo Alto Networks é seu Firewall de Última Geração, que entrega visibilidade de aplicações, usuário e conteúdo e controle integrado com o firewall através de sua arquitetura de software. Os produtos e serviços da companhia correspondem a um grande número de necessidades de segurança em redes, do data center até a rede, assim como nas filiais e nos dispositivos móveis. Mais de 100 países utilizam os produtos da Palo Alto Networks. Para mais informações, visite: www.paloaltonetworks.com

 

 

Contato com a Imprensa:

Capital Informação - Assessoria de Imprensa

Luciane Bernardi – luciane@capitalinformacal.com.br

Juliana Ornellas – juliana@capitalinformacao.com.br

Marcela Thyse – marcela@capitalinformacao.com.br

Tel: (11) 3926-9517/ (11) 3926-9518


Folha de dados

PA-800

Dispositivos Palo Alto Networks PA-800 Series de última geração, incluindo o PA-820 e o PA-850, são desenvolvidos para proteger filiais corporativas e empresas de médio porte.

  • 5517

Folha de dados

PA-3200 Series

Organizações do mundo todo estão ampliando suas iniciativas de nuvem e vir- tualização além das tradicionais implantações de centro de dados e de nuvem pública. As novas iniciativas incluem segurança como um componente NFV ou como uma solução mais completa para vários locatários.

  • 5553

Folha de dados

PA-5200 Series

O PA-5200 Series da Palo Alto Networks® para dispositivos de firewall de última geração é composto pelo PA-5260, PA-5250 e PA-5220.

  • 2019

Folha de dados

GlobalProtect Datasheet

GlobalProtect extends the protection of the Palo Alto Networks Next-Generation Security Platform to your mobile workforce, no matter where they may go.

  • 15625

Folha de dados

PA-220

O PA-220 da Palo Alto Networks apresenta os recursos dos firewalls de última geração para filiais corporativas distribuídas, varejo e empresas de médio porte.

  • 4969

Folha de dados

PA-3000 Series Specsheet

O PA-3000 Series gerencia os fluxos do tráfego de rede usando processamento e memória dedicados para rede, segurança, gerenciamento e prevenção de ameaças.

  • 5411